Pré romantismo

10/05/2015 08:46

ORFEU SPAM APOSTILAS

[Volta à Página Principal]

José Bonifácio, o Velho

Ode aos Gregos

Ó musa do Brasil, tempera a lira,

Dirige o canto meu, vem inspirar-me:

Acende-me na mente estro divino

De heróico assunto digno!

Se comigo choraste os negros males,

Que a saudosa cara pátria oprimem,

Da Grécia renascida altas façanhas

As lágrimas te seguem.

Se ao curvo alfange, se ao pelouro ardente,

Política malvada a Grécia vende;

As bandeiras da cruz, da liberdade,

Farpadas inda ondeiam.

As baionetas que os servis amestram,

Carnagem, fogo não assustem peitos

Que amam a liberdade, amam a pátria,

E de Helenos se prezam.

Como as gotas de chuva o sangue ensopa

Árido pó de campos devastados;

Como do funeral lúgubre sino

Gemidos mil retumbam.

Criancinhas, matronas, virgens puras,

Que à apostasia, que à desonra vota

O feroz Moslemim, filho do inferno,

Como mártires morrem.

E consentis, ó Deus! Que os tristes filhos

Da redentora cruz, árabes, turcos,

Exterminem do solo antigo e santo

Da abandonada Grécia?

Contra algozes os míseros combatem,

Contra bárbaros crus, honra e justiça:

E Europa geme, - só tiranos frios

Com tais horrores folgam.

Rivalidades, ambição, temores,

Sujo interesse, a inerte espada prendem,

E o sangue de cristãos, que lagos forma,

Um ai não lhes arranca!

Perecerás, ó Grécia, mas contigo

Murcharão de Albion honra e renome;

O sórdido egoísmo que a devora

É já do mundo espanto!

Não desmaies, porém: a Divindade

Roborará teu braço: e na memória

Gravará para exemplo os altos feitos

Dos ilustres passados.

Eis os mirrados ossos já se animam

De Miltíades: já da campa fria

Ergue a cabeça, e grito dá tremendo

Para acordar os netos.

“Helenos, brada, ó vós, prole divina,

Basta de escravidão – não mais opróbios!

É tempo de quebrar grilhão pesado

E de vingar infâmias.

“Se arrasastes de Tróia os altos muros

Para crime punir que amor causara,

Então por que sofreis há largos anos

Estupros e adultérios?

“Foram assento e berço às doutas musas

O sagrado Hélicon, Parnaso e Pindo:

Moral, sabedoria, humanidade

Fez vicejar a lira.

“Ante helênicas proas se acamava

Euxino, Egeu, e mil colônias iam

Levar artes e leis às rudes plagas,

E da Líbia e da Europa.

“Um punhado de heróis então podia

Tingir de sangue persa o vasto Ponto:

Montões de corpos inda palpitantes

Estrumavam os campos.

“Ah! Por que não sereis o que já fostes?

Mudou-se o vosso céu e o vosso solo?

E não são inda os mesmos estes montes,

Estes mares e portos?

“Se Esparta ambiciosa, Atenas, Tebas,

O fracticida braço não tivessem

Em seu sangue banhando, nunca a Grécia

Curvara o colo a Roma.

E se de Constantino a infame prole

Do fanatismo cego não houvera

Aguçado o punhal, ah! Nunca as luas

Tremularam ufanas.

Depois que foste, ó Grécia, miseranda,

De déspotas brutais brutal escrava,

Em a esquerda o Corão, na destra a espada,

Barbaria prega o turco.

“Assaz sorveste já milhões de insultos,

Já longa escravidão pagou teus crimes:

O Céu tem perdoado. – eia, já cumpre

Ser Helenos, ser homens.

“Eia, Gregos, jurai, mostrai ao mundo

Que sois dignos de ser quais fostes dantes;

Eia, morrei de todo, ou sedes livres!”

Assim falou, - calou-se.

E qual ligeira névoa sacudida

Pelo tufão do norte, a sombra augusta

Desaparece. A Grécia inteira brada:

“Ou liberdade ou morte”.

Ausência

Em Paris, no ano de 1790.

Pode o Fado cruel com mão ferrenha,
Eulina amada, meu encanto e vida,
Abafar este peito e sufocar-me!
Que pretende o Destino? em vão presume
Rasgar do meu o coração de Eulina,
Pois fazem sós um coração inteiro!
alma impressa,
Tu desafias, tu te ris do Fado.
Embora contra nós ausência fera,
Solitárias campinas estendidas,
Serras alpinas, áridos desertos,
Largos campos da cérula Amphitrite
Dois corpos enlaçados separando,
Conspirem-se até mesmo os Céus Tiranos.
Sim, os Céus! Ah! parece que nem sempre
Neles mora a bondade! Escuro Fado
Os homens bandeando, como o vento
Os grãos de areia sobre a praia infinda
Dos míseros mortais brinca e os males
Se tudo pode, isto não pode o Fado!
Sim, adorada, angelical Eulina.
Eterna viverás a esta alma unida,
Eterna! pois as almas nunca morrem.
Quando os corpos não possam atraídos
Ligarem-se em recíprocos abraços,
(Que prazer, minha amada! O Deus Supremo,
Quando fez com a voz grávido o Nada,
Maior não teve) podem nossas almas,
A despeito de mil milhões de males,
Da mesma morte. E contra nós que vale?
Do sangrento punhal, que o Fado vibre,
Quebrar a ponta; podem ver os Mundos
Errar sem ordem pelo espaço imenso;
Toda a Matéria reduzir-se em nada,
E podem ainda nossas almas juntas,
Em amores nadar de eterno gozo!

Improvisado

DERMINDA, esses teus olhos soberanos
Têm cativado a minha liberdade;
Mas tu cheia, cruel, de impiedade
Não deixas os teus modos desumanos.

Por que gostas causar dores e danos?
Basta o que eu sofro: tem de mim piedade!
Faze a minha total felicidade,
Volvendo-me esses olhos mais humanos.

Já tenho feito a última fineza
Para ameigar-te a rija condição;
És mais que tigre, foi baldada empresa.

Podem meus ais mover a compaixão
Das pedras e dos troncos a dureza,
E não podem abrandar um coração?

Ode aos Baianos (trecho)

(...)

Duas vezes, Bahianos, me escolhestes
Para a voz levantar a pró da pátria
Na assembléia geral; mas duas vezes
Foram baldados votos.

Porém enquanto me animar o peito,
Este sopro de vida, que ainda dura
O nome da Bahia, agradecido
Repetirei com júbilo.

Amei a liberdade, e a independência
Da doce cara pátria, a quem o Luso
Oprimia sem dó, com riso e mofa —
Eis o meu crime todo.

Cingida a fronte de sangrentos loiros
Horror jamais inspirará meu nome;
Nunca a viúva há de pedir-me o esposo,
Nem seu pai a criança.

Nunca aspirei a flagelar humanos —
Meu nome acabe, para sempre acabe,
Se para o libertar do eterno olvido
Forem precisos crimes.

Morrerei no desterro em terra estranha,
Que no Brasil só vis escravos medram —
Para mim o Brasil não é mais pátria,
Pois faltou a justiça.

(...)

[Eu vi Narcina um dia]

Eu vi Narcina um dia, que folgava
Na fresca borda de uma fonte clara:
Os peitos, em que Amor brinca e se ampara,
Com aljofradas gotas borrifava.

O colo de alabastro nu mostrava
A meu desejo ardente a incauta avara.
Com ponteagudas setas, que ela ervara,
Bando de Cupidinhos revoava.

Parte da linda coxa regaçado
O cândido vestido descobria;
Mas o templo de amor ficou cerrado:

Assim eu vi Narcina. — Outra não cria
O poder da Natura, já cansado;
E se a pode fazer, que a faça um dia.

(Apostila 2 de Pré-Romantismo Brasileiro)

 

ORFEU SPAM APOSTILAS

[Volta à Página Principal]

José Eloi Ottoni (1764-1851)

Soneto

Portugueses! A nuvem tenebrosa

Qu’ofuscava a razão desaparece,

Desfez-se o caos que a discórdia tece:

Já se encara sem medo a luz formosa.

Dos erros a progênie maculosa

Baqueando em soluços estremece.

A justiça dos céus ao trono desce,

Marcando os faustos à nação briosa.

Lísia, berço de heróis, oh Lísia, alerta!

Cumpre que os ferros o Brasil arroje,

Seguindo o impulso que a razão desperta.

A expressão de terror desmaia e foge,

Graças à invicta mão que nos liberta,

Escravos ontem, sois Romanos hoje!

[Ó lágrimas, ó pérolgas!]

Ó lágrimas, ó pérolas1 A aurora

É menos pura do que vós sois belas,

Do sol do amor, ó úmidas estrelas,

Aljôfar da manhã, riso de Flora.

Ó faces de que Febo se namora

Quando meiga ternura acode a vê-las,

Se há graças devem ser somente aquelas

De uma alma ingênua que suspira e chora.

Nos olhos de Marília o pranto agrada,

Maviosa expressão de olhos serenos,

Dá glória aos numes, existência ao nada.

Ó lágrimas, ó pérolas, ao menos

Vós sois na mais serena madrugada

Intérpretes de amor, alma de Vênus!

O Livro de Jó (trechos)

Capítulo II

Contra Deus, contra Jô, de novo atenta

O inimigo da Luz, pseudo-profeta,

Que entre os coros dos Anjos se apresenta.

Pergunta-lhe o Senhor: - Não foi completa

A vitória de Jó? Consideraste

Como é firme a inocência, porque é reta?

-Em vão eu o afligi - : tu me incitaste.

As palavras de Deus Satã repele,

Dizendo: -Tu, Senhor, o excetuaste,

A mão eu pus em tudo, exceto nele;

Bem vês, que os homens por salvar a vida

Darão tudo o que têm, pele por pele.

Estende agora a mão, deixa que erguida

Toque-lhe a carne, aos ossos não perdoes,

Tu verás a inocência então perdida;

Inda espero, que Jó te amaldiçoe

Face a face. - Pois sofra, e não pereça;

Que o teu braço se estenda, e que magoe,

Eu to permito, vai. - Satã se apressa,

E a Jó ferindo, o deixa aberto em chaga

Desd’os pés até o alto da cabeça.

Jó no esterco raspando a imunda praga,

Depois que em podridão maligna escorre,

C’um pedaço de telha o corpo afaga.

Sua mulher, que o vê, mas não discorre,

-Perseveras, lhe diz, sem que te rales,

Louvando a mão de Deus? Pois louva, e morre.

Diz-lhe Jó: - Cumpre, ó louca, que te cales;

Se os bens da mão de Deus tu recebeste,

Porque não deve receber os males?

(...)

Capítulo VI

Oxalá, - disse Jó - que os meus pecados,

Objetos d’ira, e tudo que eu padeço,

Fossem como em balança bem pesados!

Ver-se-ia então pender com mais excesso,

Que as areias do mar, tormentos, dores,

Verdugo d’alma, da razão tropeço;

Tem os males na voz os condutores.

O Senhor ergue o braço, e me asseteia,

Combatem contra mim do Céu terrores.

Devoro a indignação, devoro a idéia

De meus males. No monte orneja o bruto,

Muge o boi, quando o pasto lhe escasseia.

Faltando o sal, é insípido o conduto;

Quem bebe, ou come, o que desgosta, e mata?

Eu fugia ao trovão, que agora escuto.

A amargura, se outrora me era ingrata,

Hoje a aflição é todo o meu sustento:

Que ansioso desejo me arrebata!

Quem me dera, Senhor, que o meu tormento,

Já que origem lhe deste, se acabasse,

Reduzindo-me ao pó, que espalha o vento!

Ou quem a meus rogos de furor se armasse

A mão qu’imploro, a mão, de quem o espero,

Como pela raiz me decepasse!

Aflige-me, Senhor, sê mais severo,

Que eu sem opor-me ao Santo por essência,

Que me acabes de dor, aspiro e quero;

Eis meus votos, Senhor. Que resistência,

Posso eu ter se não tenho fortaleza!

(...)

Capítulo XXXVII

Inquieto o coração no peito bate!...

De seu poder a idéia me horroriza!

Escuta o som terrível do combate!...

Eis a voz do trovão, que se desliza,

Sai da boca de Deus. Grandes da terra,

Ouvi, tremei... Se o eco atemoriza,

Que horror não vem do raio, que ele encerra!

Tubo abaixo do Céu, ele examina,

Do relâmpago a luza desfaz, desterra

As sombras do Universo. Ele domina

Sobre a voz da grandeza; trovejando

Após Ele o terror, e o eco ensina

O ruído da voz. De quando em quando

Ele soa e ninguém a compreende.

O ribombo das serras atroando,

Maravilhas de Deus o eco aprende,

Que Ele é grande, insondável, reconhece.

Manda a neve que tombe, ela se estende

Sobre os campos; a chuva lhe obedece;

Desprende aluviões, põe selo a tudo;

E o malvado a si mesmo se envilece;

Tudo à voz da tormenta é quedo, e mudo.

Sopra o vento do Arcturo enregelado;

Busca ao frio o calor, ao medo escudo

A fera no covil. É gelo o prado,

A um assopro de Deus a fonte é gelo;

Que de frio em torrentes derramado

Se derrete e desfaz. Na espiga o grelo

Da seara co’as nuvens alegrando

Reparte ao camponês co’a luz desvelo.

As nuvens tudo em torno alumiando

A vontade lh’espreitam e obedecem.

Um leve aceno seu aproveitando,

Sobre a terra, que é sua, as nuvens descem.

Seja tribo estrangeira, em qualquer parte

De seu gosto e vontade, se esclarecem.

Ouve, Jó, maravilhas, que reparte

A mão do Onipotente, considera

Contigo mesmo... E pode tu dest’arte

Sabe o que em si mesmo Ele pondera,

Quando à chuva mandou que descobrisse

De seus raios a luz que aparecera?

Porventura houve mão que dirigisse

Das nuvens a vereda? Ou regulando

A sua inteligência ao menos visse

O grau da perfeição? Calor mais brando

Ou mais forte o vestido não te aquece,

Do meio-dia os ventos assoprando?

Provérbios de Salomão (trechos)

12.

Eu sou a sabedoria

Que delibero em conselho;

Assisto aos judiciosos,

Tanto ao moço como ao velho.

15

É por mim que os reis imperam

Nos corações por amor;

As minhas leis é que formam

O sábio legislador.

18

Os tesouros da abundância

Pelo meu braço se entornam,

Riquezas, glória, justiça,

Magnificência me adornam.

21

Nos caminhos da eqüidade,

Nas veredas da prudência.

Com quem me ama eu reparto

Além do amor, opulência.

22

Na mente eterna incriada

O Senhor me possuía;

Antes de haver criatura

Eu já coeterna existia.

26

No globo o caos ainda

Não mostrava o que ele encerra,

Nem dos rios a corrente,

Nem os dois pólos da terra.

27

Quando ao autor do firmamento

Aos abismos prescrevia

Certas leis, a tudo estava

Presente a sabedoria.

(Apostila 3 de Pré-Romantismo Brasileiro)

ORFEUS SPAM APOSTILAS

[Volta à Página Principal]

LADISLAU DOS SANTOS TITARA

Letra do Hino "Dois de Julho"

(Hino da Bahia)

Letra: Ladislau dos Santos Titara

Música: José dos Santos Barreto

Nasce o sol a 2 de julho

Brilha mais que no primeiro

É sinal que neste dia

Até o sol é brasileiro

Nunca mais o despotismo

Referá nossas ações

Com tiranos não combinam

Brasileiros corações

Salve, oh! Rei das campinas

De Cabrito e Pirajá

Nossa pátria hoje livre

Dos tiranos não será

Cresce, oh! Filho de minha alma

Para a pátria defender,

O Brasil já tem jurado

Independência ou morrer.

Paraguassu

Poema épico

Canto I [Anjo Benigno, que feliz à Humanos]

Anjo Benigno, que feliz à Humanos,

Para exalçar nações, dos Céus baixaste:

Augusta, ó Liberdade, eia, me inspira;

E d’Épico instrumento os sons canoros

Dá, que divinos guardem, sobranceiros

Aos turvos lagos do esquecido Letes,

Heróis quanto criou guerreira a Pátria:

E, animados por Ti, prodígios quantos

C’roa cingiram, de fulgor perene,

As, d’alto jus à glória, honrosas lidas,

Que salvo o Pátrio berço, à pleno, deram,

No assunto, sem igual, tua influência

Sobeja o voar implume esteie à Musa.

Canto I [Tanto que o Município desse prisco]

Tanto que o Município desse prisco

Povo, rei do Orbe inteiro, decidira

Legiões, que os nós desdém, mudar segundas

O Gênio do Brasil, que ativo o escruta,

Peito a baldá-lo põe; e lá firmando

No Amazonas caudal a planta enorme,

Transcende etérea mole desmedida,

Às margens sobranceiro do Janeiro,

Por onde cometer de Jove o assento,

Raivando, pretendeu Titânea prole:

E quanto à Diva, que semeia trevas,

Horas apenas sobejavam duas,

Para que ao fulvo Irmão nos Hemisférios

Desfechar consentisse acesos fachos;

Quanto cadentes aliciavam astros

Mais ao supor gratíssimo, e cingia,

Com suave liame, Orfeu Humanos:

Qual fora em sonhos ao Diôneo Teucro,

Do futuro enunciar Cileno arcanos;

Fragueiro se acelera, e do Magânimo jeito,

Do Bragantino Moço, então Regente,

Que, outro Filho de Rhea, à um Novo Império

Robustos profundava os alicerces,

Tomado de respeito, ao toro chega.

Canto III [Ao horrendo fremir das rijas portas]

Ao horrendo fremir das rijas portas,

Intrépida Heroína, acorre Antiste,

A que do sacro Encerro a paz cabia;

E porque a sanha acalme aos monstros, única

O postigo desfecha, e ora mil preces

Exaure a eliminá-los; ora ativa

Emprega suasões, e as cãs ostenta,

Dos anos ao langor enbranquecidas;

As cãs, que sempre, te, ó Virtude, honraram:

O ar ostenta verendo, o ar tranqüilo,

A que palor não dão mãos homicidas,

Os celerados crus, que inexoráveis

Na culpa o coração enduram, e ávidos,

De vítimas (Ó Céu!) inda não fartos!

Recrudescem em dobro, e perrompendo

O empecilho, que os têm, mais que ferozes,

Sem pio ardor, sem dó, descridos cravam

Co’a morte o gume no virgíneo seio,

Que viste infortunosa cair, Lapa,

Do freiricida atroz aos pés sanguentos:

Tal, ao golpe exicial de arcabuz rouco,

Por mãos injustas, à Inocência adversas,

Tomba rola, que em paz, e riso habita

Sombrio entrecho dos nutrícios bosques,

Sem dos perjúrios, sem labéu dos crimes,

Gozando os teus, Natura, almos melindres.

Canto IV [Diz como idosos, ferrugentos tubos]

Diz como idosos, ferrugentos tubos,

Bahiano esforço por ameias tendo,

Rudes carretas, à ligeira, montam.

Ocorre-lhe também falar daqueles,

Tupica multidão, nas frechas destros,

Que do teso arco com vigor travando,

As tabas deixam mais, que muito, amadas;

E, em tribos várias, a reunir-se marcham.

Dos Uapis ao som, ao som da Inúbia,

Compassando uns trás outro, em longas restes,

Seguem os Paiaiás, pródomo vindo

Morubixaba afoito, às tribos chefe:

E à todos, quais na paz, seguem nos prélios,

Oh! Conjugal ternura! As leais consortes,

Que à extremos dadas, ânsia põe inteira

E com eles a triunfo, ou ir à Campa.

Canto V [Ilha em tudo primaz, Ilha famosa]

Ilha em tudo primaz, Ilha famosa,

Tão amena, e tão fértil, que eclipsara

Essa, em que (a ser verdade) seus guerreiros

D’asp’ras lidas pintou Camões divino,

Olvidados pousar, beber delícias.

Noticiam também, de que arte, um Luso

Vem trânsfuga dali, e aos seus bem nota,

Que o lado ocidental era então ermo

D’algo, que desembarque aí tolhesse.

Canto VI [Progrediam no Exército, à grã sanha]

Progrediam no Exército, à grã sanha,

Intermitentes, petechiaes, mil febres,

As falanges consumo, e que guerreiros

Tanto inutilizam; obra acerba,

Quiçá dos hostis Numes. Muito arredo

Era o magno hospital; um longe menos,

D’amplo seio também, es estabelece

Na Itapuã, e a incumbência cabe dele,

A Cabral, que a Elísia recém-vindo,

Na Esculapina ciência amplo, e perito,

Aos seios se passara patrióticos,

E ali, a seus febri-fugos desvelos,

Restrição não pequena se devera

De impertinente morbo. Inda que tanto

Desfalcadas as forças, cônscio o Chefe

De que a Esquadra Ulisséia predispunha

Do Fluminense auxílio ao desembarque.

Canto VIII [Do Pirajá volvendo, atiça chamas]

Do Pirajá volvendo, atiça chamas,

(Tuas cenas, Moscou, lembrando aflitas!)

Que encorpadas guiando-se, amplo abrasam

E às cinzas tornam Fábrica estendida!

Manancial de fartura, que prestava,

Do melífero suor, anuo estilado,

Mil candidatos cabuchos, donde safra

Ao dono vinha, de valor enorme;

Ao dono, que seu crime é ser Bahiano!

Em amplitude tal, quanto em estima,

D’équoreo braço às bordas, franco sempre,

Mais preço tinha a Granja; uma dos muros

Milha quiçá distante, mole aquária

Volteava-lhe abundosa os rijos prelos,

Que rápidos se atuam, premem lestos,

Com estufado dente, haste arundina,

Seu dispêndio é menor, tem mais presteza,

Que quantos (modo usual) vigor eqüino,

Ou tardo boi pesado, a agitar, sua.

Herdade outra também d’outro Bahiano,

Comem vorazes flamas, e desta arte,

Crêem os Godos punir pungente

De, n’um só dia, heróicos Brasileiros

Dupla vitória obter, com que se enramem.

(Apostila 4 de Pré-Romantismo Brasileiro)

 

 

ORFEU SPAM APOSTILAS

[Volta à Página Principal]

FREI FRANCISCO DE SÃO CARLOS

A Assunção da Santa Virgem

Canto I [Era no tempo frígido, e sereno]

Era no tempo frígido, e sereno,

Em que ao nosso Hemisfério o riso ameno

Já mostra a primavera: vida ganha

O verdor dos Jardins, e da Campanha

Ia o Sol em Ástrea quase entrando,

Seus raios ida frouxos dardejando.

O torto Cajueiro se adornava

Das purpúreas folhinhas, que brotava.

Cobria-se de flores a mangueira,

E o ar embalsamava a laranjeira.

A sua fruta d’ouro, que em doçura

Vence a Aristeu, caía de madura.

O terno Sabiá buscando amores

Já saudava por entre os mil verdores

Do copado pomar, seu senhorio,

A chegada das águas, e do Estio.

Das ursas o Pyrhois se desviava,

E ao Capripedo término voltava.

Do pólo Árctico a parte toda escura

Deixando, o Céu da linda cinosura,

O Lapão frio, a inculta Noruega,

A quem natura quase tudo nega.

Canto II [Numa horrível prisão, que fez o Eterno]

Numa horrível prisão, que fez o Eterno

Na mais interna furna lá do inferno;

Onde em reto Juiz sopra inflexível

Contra os réprobos chama inextinguível

Habita Lúcifer: sentindo o peso

De Deus, que ali o suplanta em ira aceso.

É um monstro medonho, e tão disforme

Na massa colossal do vulto enorme,

Que se o doce repouso, e a paz gosara,

Deitado duas geiras ocupara.

De tão sombria, e horrenda catadura,

Que faz pavor à mesma Estige escura.

No réprobo semblante retratado

Vê-se todo o rancor dum condenado.

Os olhos afiguram dois cometas,

Que ardem entre duas nuvens pretas.

A boca era, se abria, internamente

Estuante fornalha. Quando ardente

Do peito o ar pestífero bafeja,

De vivas brasas turbilhões dardeja.

Assim do Etna o gigante, se respira,

Lavas de enxofre aceso a Jove atira:

Todo o monte convulso se a outro lado

Revira o enorme corpo, meio assado.

Não é tão feia, não, a noite umbrosa,

Que apanha o viajor em mata idosa,

Perdido entre fusis, raios freqüentes,

Urros de tigres, silvos de serpentes,

Como este monstro singular, e incrível,

Quase sem forma, quase indefinível.

Se o Canto Ulisseu vira esta demo,

Diria ser gentil o Polifemo.

Em torno dele giram a milhares

Vãos espectros, nas formas singulares

Do pecado, e da morte infame raça

Que lhe faz corte, que lhe faz a praça.

Canto III [Ó Musa, dá a meus versos a doçura]

Ó Musa, dá a meus versos a doçura

Dos frutos, de que vou dar a pintura.

A manga doce, e em cheiro soberana,

Que imita o coração, no galho ufana,

De um lado a crócea cor, e fulva exalta

Do luzente metal, que a muitos falta,

De outro lado porém retrata aquela,

Que o pudor chamas às faces da donzela.

Pendendo estão dos ramos verdejantes

Os cajus, à saúde tão prestantes;

Uns amarelos, e outros encarnados,

Das gostosas castanhas coroados:

Talismãs, que lhes deu a natureza,

Por não se fascinar tanta beleza,

Odoríferos jambos coroados

Alvejam na vergôntea apinhoados.

Negreja o liso abrunho, envolto em luto,

O qual da Síria veio: e o débil fruto,

Que lá de Cerasuta o nome toma,

Por Lúculo trasido à velha Roma.

Entre as folhas gigantes laceradas

Dos bananais espessos arranjadas

Lourejam suas filhas; aguçando

O apetite, e os olhos afagando..

Dos folhudos festões estão pendentes,

Pelo tronco trepando, os recendentes

Frutos da agreste flor, quadro imitante,

Do martírio, e paixão de um Deus amante.

Gemem enfim as árvores curvadas

Com o peso das frutas sazonadas.

Do limão virginal, da áurea laranja,

Pomos d’oiro talvez, que em vossa granja

Hispérides zeláveis; mas colhidos,

São por Tirintio a Euristeu trazidos.

No mesmo ramo encanta a formosura

Da fruta em flor, da verde, ou já madura:

Mostrando a natureza aqui reunido,

Quanto n’outras sazões tem repartido.

Tal matrona fecunda em proles belas

Núbeis tem, uma ao colo, e outras puelas.

Assim num quadro só pincéis mui hábeis

Desenham mil objetos deleitáveis.

Assim por São João, no mês nevado,

Depois do esbulho teres suportado

De tuas ramas velhas, ó roseira,

Aos astros te apresentas lisonjeira,

Quando as novas de rosas mil enxertas;

Umas inda em botão, outras já abertas.

Em vão nédios racimo a encrespada

Vide, que com o olmeiro está casada

À luz fébea expõem, tanta riqueza

Ai! Da pompa é troféu, é só beleza.

Alígero cantora da etérea estância

Apenas prova parte da abundância.

Tal era a sorte de outras muitas frutas,

Sempre das mãos intactas, e incorruptas.

Tal a da pinha, que trazida outrora

Do Eóo país, berço da aurora,

Com seu néctar suave torna escravos,

Abelhas de monte Hibla, vossos favos.

Tal a tua, ananás, rasteiro, e baixo:

Mas que tens por coroa alto penacho,

E em vestido de escamas, qual guerreiro,

Um hálito bafejas lisonjeiro.

Nem baixo te reputes desonroso:

Tal de Carlos o pai, mas foi famoso.

E o bravo lá da Emátia, na estatura

Apoucado, foi raio de bravura.

Canto IV [Que cenas mais pueris, e extravagantes]

Que cenas mais pueris, e extravagantes,

Que os deuses ver correndo dos gigantes,

Vagar aqui, e ali, sempre assustados;

Nas grutas, e nas brenhas eclipsados?

Em ridículas feras convertidos,

Por não serem dos monstros percebidos?

O mesmo Jove que do Olimpo atroa,

Com a prole bastarda só povoa

De Deus Céu, de Semideuses terra:

Feito, que a idéia Divinal desterra:

Ele foi por lascivo, chuva d’ouro,

Carneiro, cisne, e águia, enfim foi touro.

Era o orgulho decoro: gentileza

Imolar o rival, honra e nobreza

Praticar horrores da vingança,

Ou ter em cinza a brasa da esperança.

Eis tua moral, Politeísmo

Que tinha de extirpar o heroísmo

Destes claros varões assinalados;

Pregoeiros de Deus, do Céu mandados.

Canto V [Nas planícies do Céu, entre sombrio]

Nas planícies do Céu, entre sombrio

Arvoredo copado, há um desvio.

E um grato retiro afortunado,

Somente pelos Anjos freqüentado:

Que ali vão várias vezes de passeio

Por mudar, ou de sítio, ou de recreio.

Aqui de fino jaspe antiga gruta

Existe, de uma fone nunca enxuta;

Que desce murmurando cristalina

Por áreas de prata. Aqui domina

A taciturna imagem do segredo.

Já mais de Orfeus alígeros o enredo

Doce gorjeia: não sussurra o vento,

Nem range, ou bate porta de aposento.

Não soa ao longe lá da torre enorme

O relógio fiel, que nunca dorme.

Nem a voz da atalaia, que disperta

Gritando ao camarada: alerta, alerta.

Não freme o duro quicio ao carro preso,

A força estranha a resistir do peso.

Nem late o cão fiel ao vão ruído,

Guardando a grei do armento espavorido.

Está tudo em silêncio, eternas flores

Matizam o lugar, e os seus verdores.

É propriamente a Lapa, e os tais matizes,

Habitação dos Êxtasis felizes,

Que ali moram, e estão sempre suspensos,

A contemplar do Eterno os dons imensos.

Canto VI [A palmachristi, a nova Ipecacuanha]

A palmachristi, a nova Ipecacuanha

Do velho Dioscórides estranha.

Da Cupaíba o óleo precioso,

Que vence a dor e o golpe mais p’rigoso.

Ervas, plantes, sucos e virtude

Férteis de vida, fontes de saúde.

Encontram-se também tribos errantes

Nos bosques; que entre si beligerantes

Vivem de singular, e estranho povo,

Que parece outra raça, gérmen novo.

Antropófagos são, que a tão sabido

Grão de horror chega humano embrutecido!

Pintam o rosto seu mal encarado

De verde, cróceo, roxo, e de encarnado.

E por fugir à vespa o corpo todo

De resinas agrestes, ou de lodo.

Tecer ignoram; mas as suas telas

São as plumas das aves, cores belas.

A vida passam em contínuas festas

De crápulas, e danças inhonestas.

A cidade, que ali vedes traçada,

E que a mente vos traz tão ocupada,

Será nobre colônia, rica, forte,

Fecunda em gênios, que assim quis a sorte.

Será pelo seu porto desmarcado

A feira do oiro, o empório freqüentado.

Aptíssimo ao comércio; pois profundo

Pode as frotas conter de todo o mundo.

Será de um povo excelso, gérmen airoso

Lá da Lísia, o lugar mais venturoso.

Pois dos Lusos Brasílicos um dia

O centro dever ser da Monarquia.

Canto VII[No meio deste horror, que o execrando]

No meio deste horror, que o execrando

Orço pálido excita, um Drago infando,

Que lá no abismo ignipotente impera;

Lusbel por nome, nome que trouxera

Antes de ser das nuvens fulminado,

Saindo a campo, eis que esbraveja ousado:

E com voz de trovão, que a esfera espanta,

Tais blasfêmias vomita da garganta; -

“Se dessa tubra laxa, vil, malquista,

Por onde com horror estendo a vista,

Ousa alguém arrostar-me, e não receia

Comigo se medir, venha ‘té a área:

Venha, que o espero: e já de agora juro,

Que a coragem decida do futuro.

Mas que digo: ousa alguém fazer-me frente?

A mim? Conquistador Omnipotente?

A mim? Que cultos tenho, tenho altares

Fumando o incenso? A mim? A quem milhares

Se prostram lá no Estix, que nada temo,

Que sou Nume do Côas, um Deus supremo?”

Os íncolas do Céum com tais sarcasmos

Estremecerão, e ficarão pasmos

Que ouviram um Deus fora daquele,

Do orbe Autor, e quanto existe nele.

Tal no vale se lê do Terebinto

Que um Filisteu membrudo, armado o cinto

De brônzeas malhas contra o Céu bradava:

Mas a fúria brutal, que blasfemava

De Jeová, acabou no débil braço

De um inerme pastor sem peito d’aço.

Recusaram os Anjos o duelo

Por falta igualdade. Mas o zelo,

Que a Michael inflama, não podendo

Mais moderar-se, que lhe está fervendo

Fê-lo pular, e o colo da altiveza

Espezinha sanhudo. Tal presteza

Mostra açor se de um vôo em terra tomba

E entre as garras empolga a incauta pomba.

O monstro sufocado, inutilmente

Revolve o resto do volume ingente.

Tal a cobra no colo se é calcada,

A cauda enrola, e desenrola irada.

Rápido arqueja, túmido assobia,

E em vão contra o Celeste o dente afia.

Não podendo escapar, com mil atrozes

Ardis passa a inventar metamorfoses.

Agora em fogo, agora em água fria,

Agora em lodo vil se convertia.

Umas vezes o corpo dividindo

Em partículas mil, está fingindo

O mineral volúvel prateado,

No solo derretido, ou boleado.

Outras em pó, fumaças, e granizo

Volvia-se o maldito d’improviso;

Mas o Celeste Campeão com peso

Debaixo dos seus pés sustinha-o preso.

Canto VIII[Eis a Jerusalém nova, escondida,]

Eis a Jerusalém nova, escondida,

(Uns aos outros diziam) que vestida

De graças mil, de luz, de formosura,

Remonta, e vem da solidão escura.

O Sol, que lá do Arquétipo saindo,

Riu-se toda a natura, ao ver tão lindo;

O Sol, astro de influxos bem feitores,

Que Oceano de Luz, e resplendores

Empresta aos outros astros claridade;

Nunca ostentou tão linda majestade.

(Apostila 1 de Pré-Romantismo Brasileiro)